sexta-feira, 2 de março de 2012

lembrancinhas da discórdia

Quem nunca recebeu uma sacolinha de doces na saída de uma aniversário? Quem nunca ofereceu a mesma coisa numa crise de falta de criatividade e de refelxão? Pois eu já - várias vezes - e eu já algumas vezes. Em minha defesa alego que escolhia com muito cuidado a qualidade das porcarias e misturava os poucos doces com brinquedinhos vagabundinhos.

Se tem um hábito que perdi, depois que comecei a girar nesta roda, foi o de dar docinhos de lembrança. Perdi também o hábito de não querer me indispor em algumas situações e no ano passado, escrevi um e-mail para a antiga escola de Arthur - e poderia escrever também para a atual, mas minha filha mais velha já escolhe e consigo atuar de maneira individual para evitar consumo excessivo de doce - exceto chocolate! Agora é esperar pelas festinhas de Arthur na nova escola.

Relendo esta cartinha, achei meio desaforada, mas retrata bem a indignação de uma mãe disposta a alimentar bem seus filhos. 

---
Oi Escola,
Mais um aniversário foi comemorado hoje na escola. Desta vez a aniversariante comemorava seu segundo aninho e os convidados tinham no máximo três anos.
Mais uma vez, recebemos em nossa casa, um pacote de guloseimas pouco saudáveis como lembrança, dirigidas ao nosso filho, um convidado de 19 meses.
Mais uma vez este saco de guloseimas foi direto para o lixo, pois nem à minha filha mais velha (seis anos) oferecemos estas substâncias ricas em calorias vazias e corantes "radioativos" estando em casa - ela só ingere as famosas "porcarias" em ambientes onde não podemos controlar a qualidade do alimento: em festas.
Vocês sabem muito bem que não sou nenhuma fanática, que não proíbo nenhum item na alimentação de Arthur e que não faço restrição ou observações negativas a nada oferecido no cardápio da creche, especialmente porque confio muito no conhecimento e nas decisões de vocês.
Ainda procuramos evitar o contato de Arthur - que ainda é um bebê a quem podemos controlar - com este mundo de doces e corantes, liberando apenas geleias e doces de fruta, além de chocolate de excelente qualidade, em pequeníssimas quantidade em alguns finais de semana. Ficando definitivamente proibido de consumir refrigerantes, sucos artificiais e frituras.
Acredito que é papel da escola colaborar na formação integral das crianças, inclusive (re)orientar mães e pais quando estes cometem equívocos ou omissões que atinjam o grupo escolar.
Na questão da alimentação, eu realmente não consigo entender porque adultos escolarizados insistem em dar acesso livre a alimentos que fazem mal, prejudicam o paladar e viciam as crianças - e chamam isso de "cultura familiar"!
As lembranças dos aniversários vêm há muito me incomodando e hoje resolvi me manifestar. Minha atitude individual de jogar os doces fora não está sendo suficiente para mim. Isto porque a frequência está muito grande: de todas as muitas festinhas que aconteceram na escola, em apenas duas veio uma lembrança diferente de doce.
Fico aqui me perguntando se as mães que mandam para a minha casa esses itens de baixíssima qualidade oferecem os mesmos aos seus bebês.
Solicito que a escola oriente os pais e estabeleça regras mais rígidas em relação às comemorações de aniversários em dias de aula, quando os pais estão ausentes.
Além da lembrança, me preocupo com o refrigerantes, sucos artificiais e frituras que porventura possam estar sendo oferecidos às crianças tão pequenas por estes pais despreocupados no ambiente da escola.
Desta maneira, solicito, de forma contundente que, na impossibilidade de atendimento desta demanda (ou de desobediência expressa das mães e pais), lembranças deste formato não mais sejam enviadas para minha casa.
Solicito ainda que não seja oferecido nenhum item restrito (refrigerante, suco artificial ou frituras), mesmo que ele insista.
Uma mãe!

---

Nunca recebi uma orientação ou soube que foi distribuída, mas também nunca mais recebi os famosos saquinhos radioativos.

Não sou santa, nem exemplo, nem referência. Já dei e dou minhas derrapadas, mas uma vez que reflito e concluo uma coisa, não tem santo que me faça voltar atrás e com este post espero que mais mães deixem de oferecer estes fatídicos saquinhos como lembrança. É uma atitude tão simples que pode significar boas mudanças.

27 comentários:

Thábata Pontes disse...

Sou do seu clube. Minha filha agora com 2 anos, só agora começamos a liberar o chocolate. Mas é inevitável se indispor com familiares, avós e amigos que acham que somos neuróticos, só por não termos a preguiça em ensinar bons hábitos alimentares pra nossa filha. É complicado, mas também não iremos desistir nunca deste propósito! Legal achar mais mães que pensam como eu, pra dar aquele apoio moral, porque sinceramente, fico perdida dentro de uma roda de mães amigas em que sou a única que tomou a decisão de criá-la com bons hábitos alimentares. Abraços!

Kelly Resende disse...

Amanhã farei uma festinha pra minha filha e a lembrancinha será um livro. No ano passado até dei guloseimas, mas só para os maiores, mas mesmo assim me senti mal por isso. Concordo plenamente com vc, na escola não deveriam permitir. Na da minha filha só proibem refrigerante e tentam controlar os doces, mas suco artificial tem em todo aniversário. E também sei que ela já provou várias coisas por lá quando ela vê uma balinha e identifica como balinha, sendo que nós nunca demos e nem mostramos uma a ela.
Beijos

Mariana disse...

Xara, assino embaixo da tua cartinha! Sempre fui adepta das lembrancinhas zero açucar! até porque não faz muito sentido... a criança se entope de açucar na festa e depois leva mais açucar pra casa??? por isso nas festinhas da Sofia as lembrancinhas sempre são brinquedinhos, catados com o maior carinho em varias lojinhas de bugigangas da cidade! e para fazer a alegria total das mães, sempre coloco alguns itens de material escolar... um lapis fofinho, uma borracha de bichinho!

Quem tem vontade mas acha que da trabalho fique sabendo que não tem stress nenhum e nem sai tão mais caro assim!

bjus!!

Mundo do Dani disse...

Oiee =)
Aqui em casa acontece o mesmo, mas a minha mãe foi falar mesmo lá na escola, e agora vêm lembrancinhas em papel kkkk
As crianças não gostam nada, mas ao menos elas guardam para elas né !
Bjs

Dani Garbellini disse...

Mari, na escola do Arthur o cardápio das festinhas é bem controlado. E refris, guloseimas, docinhos estão fora. E até o saber do bolo é bem restrito. E eu adoro muito isso!

Por outro lado, esse ano Arthur pediu uma festa em buffet com pacote completo. Sempre fizemos festinhas caseiras e ano passado teve festa na escolinha, mas esse ano será tudo diferente. E como ele fará 4 anos, resolvi que vai rolar guloseimas, mas sem excesso. A idéia é fazer os enfeites das mesas de convidados com guloseimas, que já será a lembrancinha. Vetei a mesa das porcarias, porque ai já é demais para minha cabeça, fico nervosa quando vou em festas que tem e Arthur vai enfiar a mão lá toda hora. E horrorizada como num aniversário recente, em que adultos pareciam malucos quase se estapeando para encher seus saquinhos.

Mas olha, até os dois anos ele ficou bem longe dessas mesas, mesmo quando tinha. E eu confiscava lembrancinhas do tipo. E ele ficou super bem. Depois dos três anos, ele já entendia e passou a desejar, mas como não era hábito, não é uma criança maluca por doces, como um pouco e pronto.

Ah! Na escola do Arthur não tem lembrancinha e a maioria das turmas tem combinado na reunião de pais de não dar presentes. Na turma do Arthur eles mesmo confeccionam um presente para o aniversáriante. O quadro pintado pela turma que ele ganhou ano passado está pendurado no quarto dele. Fofo!

Então, com um pouco de reclamação, chatisse ou seja lá como for, dá para melhorar isso. A gente costuma falar sobre o assunto na primeira reunião de pais do ano, assim vai enquadrando os pais mais resistentes e os novatos. rs

Beijos!

Fabiana Alvim disse...

Assino em baixo!! :-D

Fabiana Alvim disse...

*embaixo!
Desculpa aí português... ainda tô com sono... rs

marisinha disse...

Mari, é isso aí!!!

Meu, eu acho incrível a gente ainda ter que escrever esses e-mails para a escolha... cacete, será que eles acham normal isso tbm??

beijos e parabéns, educação não é só para os nossos filhos!

márcia disse...

Legal essa reflexão, Mari. As lembrancinhas além de vir com itens nada saudáveis, muitas vezes tem o poder de nos constranger, isso mesmo! Uma vez a minha filha ganhou tantos presentes no tal pacotinho que diminuía o presentinho que havíamos mandado, isso numa outra escola que tinha aniversário quase toda semana.

Bem, na atual escola é simplesmente proíbido o envio de lembrancinhas. A festinha é bem restrita, só pros coleguinhas da turma(nem os pais participam, buá) e a própria creche presenteia a criança com bolo e suco ou sessão de cinema com pipoca, fica a critério do aniversariante.

A creche alega que as lembrancinhas tiram o foco que é a criança que faz aniversário e, por na maioria das vezes, vir com itens contrários a alimentação recomendada pela creche eles decidiram por banir as tais lembranças. Que bom, né?

Eu adorei sua atitude e sinceramente, aqueles brinquedinhos maioria made in China fatalmente ganham o lixo como morada também, né?

Por lembrancinhas mais criativas já!

Beijo

Sarah disse...

Incrível a carta! Na real, duvido que outras mães parem de dar os saquinhos aos filhos, infelizmente. Mas que bom que a escola leu e não enviou mais os doces a Arthur. Também não entendo porque essas lembrancinhas sempre incluem tantas porcarias!
Dia desses teve festinha na escola do Bento, foi a primeira na escola nova. Estava ansiosa pra saber o que seria servido e qual seria a lembrancinha. Pois ele me contou que teve bolo de chocolate e brigadeiro e suco de uva. Até deve ter tido mais coisa, mas ele me contou o que conhecia e o que comeu. Ah, e não veio lembrancinha nenhuma. Nada! Fiquei surpresa, mas foi melhor assim.
bjos!

Bruna Ribeiro disse...

Apoiadíssima!!!

Carol Damasceno disse...

Não achei nem um pouco desaforada.. Concordo em gêneno, número e grau... Não sei como os pais tem coragem de dar coca-cola a um bebê e acham que é uma atitude normal...
A Laura tem 1 ano e 2 meses e nunca comeu qualquer tipo de doce e nem tomou refrigerante ou sequer sabe o que é uma bala ou um pirulito... Qual o valor nutricional disso???

Beijoca
Carol

Mãe de três disse...

Sabe o que eu mais detesto que tenha em festinhas infantis? Chicletes e aqueles pirulitos que são uma bola, que a criança nunca vai conseguir chupar um inteiro, e sempre tem fico doida.
Eu faço saquinhos, com brinquedinhos, e bala de banana e moranguete. Mas não dou pra criança e sim para os pais , para que eles decidam o que pode ou não.
Apoiada, bjks

Natalie disse...

Rá, estava falando disso agorinha com o marido: estamos começando a planejar a festa de 1 ano do Enzo. Não queremos doces tradicionais, só doces que crianças da idade dele PODEM e DEVEM comer. Farejo que terei problemas para achar fornecedores e com 90% dos ADULTOS convidados. Muita gente aqui já briga comigo porque não dou doces pro Enzo aos 8 meses...
A OMS é clara nisso: o ideal é evitar ao máximo o consumo até os 2 anos. Açúcar branco nem eu como! Enfim, família vai encher o saco, mas na festinha do Enzo, só guloseimas saudáveis e comíveis!

Parabéns pela carta à creche! É isso aí!

bjos

Dani disse...

Mari, disse o que eu gostaria de falar!!! Quer dizer, isso AINDA não aconteceu, até pq a Laura tem 14 meses e seus coleguinhas, por volta de 15. Não acho que façam aniversários tão cedo, nem que façam festa (ainda), mas quando acontecer... já até fiquei com raiva, só de imaginar o que pode rolar numa possível festinha na escola. Aliás, vou anotar esse assunto AGORA pra conversar no berçário na segunda - que já tenho uma conversa marcada com a orientadora, vou apenas adicionar o tema! Obrigada! =)

Acho que vc está certa, certíssima. Se não estamos junto deles, temos que confiar 100% no que a escola oferece e, se não oferece, que está de olho para que não comam o que não queremos. Vc está certa, certíssima e eu assino embaixo.

Com certeza eu não ofereceria lembrancinhas assim nos aniversários da Laura -e, para ser honesta, sou contra qualquer lembrancinha, não basta a festa???

Enfim, assunto super bem escolhido para este post!

Beijos grandes!

Paloma, a mãe disse...

Se tem uma coisa que eu prezo é isso, nunca dei balas de lembbrancinha, nunca teve bala ou pirulito (ou chiclete), jujuba etc. nas festas das meninas. E travo esta batalha em todas as escolas que a Ciça frequenta. Desde a primeira, em SP, até a última, em BSB. Em todas tive respostas positivas, apesar do estranhamento geral da nação ("Do que está mãe está reclamando? é só uma lembran cinha..."), consegui pequenas e importantes mudanças, mesmo na escola pública. Aliás, principalmente lá.
Acho que a gente tem de falar mesmo. Não importa quando se adquire a consciência, mas, uma vez adquirida, como vc mesma disse, é impossível voltar atrás.
Beijos,
Paloma, chocólatra que não se assume na frente das filhas para não dar o mau exemplo

Ivana_coisa de mãe disse...

Mari, concordo! Eu me incluo naquelas que já deram os saquinhos radioativos de lembrança e hoje tenho repúdio por eles. A escola atual das crianças não permite esse tipo de lembrança, o que acho ótimo, porque condiz com a sua proposta pedagógica e com os valores que adota, e se harmoniza com as atitudes que adotamos aqui em casa.

bjos!

Carolina disse...

Lembrancinahs são o uó! Por isso que nunca fiz e sempre odeio as que o Bruno recebe. Só uma vez achei legal, foi um bloquinho com giz de cera. O resto é sempre doce porcaria. Tev uma que era bala e um apito! Quase surtei!!!! rsrssrs

Lia disse...

Mari,
Lá na escola da Emília eles eram cheios de regras pra essas festinhas: não podia doce nenhum (só bolo sem recheio, e não podia ser de chocolate, tinha de ser cenoura, fubá, fruta, essas coisas), fritura, nem bebida nenhuma. A escola oferecia o suco de polpa. E nas lembrancinhas era proibido qualquer alimento.
Ocorre que a maioria dos pais achava um absurdo, mandava coisa que não podia (a nutricionista devolvia tudo, sob os gritos indignados das avós). Foi tanta confusão que a escola resolveu suspender as festas.
Quando você diz: "Fico aqui me perguntando se as mães que mandam para a minha casa esses itens de baixíssima qualidade oferecem os mesmos aos seus bebês", eu acho que oferecem sim, viu?
Nem todo mundo tem a mesma visão que nós quanto à alimentação infantil. A maioria das pessoas acha que faz mal "privar" as crianças dessas delícias, espelhando nelas ansiedades e distúrbios que são nossos. E acham que se seu filho não come isso aos 19 meses, ele vai ser um freak que nunca mais vai comer nada de "bom" na vida.
A escola fica num fogo cruzado. E óbvio que a decisão de proibir as festas na escola da Emília também foi criticada por vários pais.

Adri disse...

Mari, como sempre, concordo plenamente com você. Eu logo no começo disse na escolinha que não queria que dessem doces, salgadinhos fritos para meu filho nestas festinhas. Eles disseram que iriam deixá-lo em outra turma na hora da festinha para ele não ficar com vontade. Todos me recriminaram, exceto Maridão, dizendo que eu sou neurótica, que de hora ou outra não tem problema. Hoje, com quase dois anos, nunca provou refrigerante, raramente come um bolo confeitado (só em festas mesmo)e guloseimas das festinhas, vão direto pro lixo.
Só libero bolinho caseiro, simples, mas também não é todo dia.
Adorei a carta!!!
Bjo

Priscila Nascimento disse...

Poxa Mari, infelizmente não concordo com tudo, pois no meu tempo de garota não existia esta confiscação das guloseimas/doces/etc e eu não sou fã da coisa. Lembro que meus pais neste quesito, foram liberais e nem por isso eu fiquei viciada, veja só um dado importante: não sou chega a doces. Por isso que afirmo que depende da educação que recebemos. Parto do princípio de que uma criança que não está acostumada a ter estas coisas no seu cardápio diário certamente não irá passar a gostar porque recebe de lembrança nos aniversários/festas. Meu filho, por exemplo, recebe estas coisas e ele mesmo diz: "Mãe, os docinhos são para meu pai e os brinquedos são meus tá?"
Acredito que isso acontece pq ele sempre foi orientado por nós que aquilo não faz bem, ele teve a oportunidade de provar e não gostou, e se tivesse gostado o cosumo seria controlado, e assim é com a sua alimentação. Então acredito na educação de cada um.
Para evitar desconforto na escola, não faço lá, inclusive pq aquelas crianças ficam praticamente sem a opção de não participar, não curto imposições.
Quanto a tal lembrançinha, terá sim a sacolinha da discórdia, quem gosta consome quem não gosta faz o quem bem entender.

P.s: Algumas pessoas vão descordar, se pudessem jogavam pedras em mim. Mas cada um tem o direito de pensar e agir conforme seus princípios né não?

bjos!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
(Mamãe) ~Pinel disse...

Concordo muito com você!
Afinal, realmente as mães não deixam que os filhos comam essas porcarias em casa, porque levar para a casa dos outros?????

Se todas as mães se colocassem no lugar das outras, as lembrancinhas seriam realmente lembranças, e não mais porcarias que acabam no mesmo dia (ou, no caso, vão direto pro lixo!)

JCJ disse...

Fiquei mega surpresa ao ver que mtas mães concordam com isso! Pq comigo é a mesma coisa, vivo em círculos de pais que oferecem porcarias p/ os filhos, não só em festas, mas diariamente com biscoitos e salgadinhos industrializados...fico de queixo caído ao ver uma mãe oferecendo, levando um biscoito recheado à boca de um bebê, qdo poderia estar oferecendo fruta! E ainda se impressionam qdo veem meu filho comendo uva-passa ao invés de cheetos...uma vez ouvi: "o engraçado, é que ele se conforma com isso, né" A questão não é "se conformar" a questão é que a opção dele, por ele ser apenas um bebê (21 meses) é saudável, livre de açúcares, conservantes, sódio em excesso e tudo o mais...

Eu acho que nesse quesito, devemos ser radicais sim e impor a nossa vontade...daqui há 30, 40 anos, o resultado vem...

Aliás estava comentando com uma amiga não entender o porquê da escola da filha proibir refrigerante mas liberar suco de caixinha, proibir coxinha mas liberar brigadeiro? ¬¬

Ainda não tenho essa experiência pq ainda não rolou escola nem creche por aqui, mas sei que vou me estressar no futuro...rs Pq pretendo evitar por bastante tempo ainda...e não estamos privando ninguém, estamos apenas protegendo! Pq mais cedo ou mais tarde, eles vão consumir, então pq não aproveitar e seguir uma dieta saudável pelo menos agora?!

Ana Paula - Journal de Béatrice disse...

Mari, sugeri este post e o linkei no Journal hoje! Estou num dilema quando às guloseimas oferecidas como lembrancinha nos aniversarios. Sabia que os francesinhos também são chegados num pacotinho radioativo?
Um beijão e otimo final de semana pra vc.

Luciana Misura disse...

Na escola da minha mais velha não se pode dar nenhum item comestível. E nos aniversários dela todos até o momento eu sempre dou um saquinho com coisinhas simples tipo bloquinho e giz de cera, adesivos, carrinhos, coisinhas simples mas que as crianças gostam sem atrapalhar o estilo de alimentação de nenhuma família...mas os americanos em geral preferem dar mesmo brinquedinhos do que doces, por esse mesmo motivo. Vejo as mães brasileiras distribuindo guloseimas em final de festa, mas nunca recebi um saco de balas e doces de uma mãe americana. Engraçado né?

Mariana Machado de Sá disse...

engraçado mesmo! imagine: os americanos com fama de que gostam de porcaria e nós bem atrás neste quesito. Meu cunhado observou uma coisa interessante: na nossa infância, a única oportunidade de comer porcaria, então não havia tanta preocupação. Hoje parece que estamos oferecendo demais, ou estamos corretos demais... Sei lá... Não ofereço mais, prefiro fazer uma festa com coisas mais saudáveis, mas sempre dou uma escorregada...